>Romance "Dracula" comemora 114 anos de sucesso

>

Neste mês de maio comemoramos o aniversário da publicação do romance mais conhecido de Abraham (Bram) Stoker, intitulado “Dracula”. Citar a importância desta obra não é necessário já que uma das criaturas mais perversas e assustadores da história da literatura e que até hoje é considerado um dos vilões mais assustadores da literatura dispensa qualquer apresentação. Mas como o propósito do site é o de apresentar o horror sob todas as suas roupagens homenagearemos esta obra-prima da literatura de horror com uma pequena biografia histórica.

Publicado em 26 de maio de 1897, o romance tem a forma de um agrupamentos cartas, por meio das quais os vários personagens vão contando a sua história. Tudo começa quando o jovem Jonatham Harker chega a um castelo na Transilvânia e conhece o misterioso conde Drácula. A partir daí, muitos pescoços serão atacados pela sede do vampiro – incluindo a noiva de Harker, Mina, e a amiga desta, Lucy, além de toda a tripulação do navio que o levaria à Abadia de Carfax, em Londres.

O romance teve várias adaptações ao cinema e originou diversas outras histórias, algumas mais fiéis ao conceito vampírico original, outras com vampiros modernos e charmosos – como o Lestat de Anne Rice e o Edward (eca!) de Stephenie Meyer.

Drácula tem sido designado como vários gêneros literários, incluindo literatura de vampiros, ficção de horror e romance gótico. Estruturalmente, é um romance epistolar, ou seja, contada como uma série de cartas, entradas de diário, registros de bordo etc. Embora Stoker não tenha inventado o vampiro, a influência do romance na popularidade dos vampiros foi singularmente responsável por muitas peças de teatro, cinema, televisão e muitas interpretações ao longo dos séculos 20 e 21.

O romance foi adaptado muitas vezes, especialmente para o cinema e teatro e o vampiro foi usado em muitas histórias e paródias independentes do romance original, sendo usado até hoje por diversos autores em diversas mídias, sendo tema recorrente na cinematografia mundial. O romance mais recente a tratar do assunto é “The Historian”, de Elizabeth Kostova. Em “Vlad: The Last Confession”, C. C. Humphreys narra a história por trás do mito, ou seja, as crueldades do conde real. Dizem que Bram Stoker se inspirou no livro policial “The Moonstone”, escrito por Wilkie Collins, para escrever Drácula em forma de diário.

Após o livro de Bram Stoker, Drácula se tornou um dos ícones mais conhecidos e cultuados das histórias de terror. Nos cinemas, ele foi interpretado diversas vezes por atores consagrados, como Bela Lugosi, Christopher Lee, Frank Langella e Abel Salazar entre outros. Alguns problemas também cercaram a obra do velho escritor irlandês como a filmagem de “Nosferatu, Eine Symphonie des Grauens” (F. W. Murnau – 1922), baseado no célebre romance de Bram Stoker, embora com nomes de personagens e lugares alterados, pois os herdeiros do escritor não concederam a Murnau autorização para realizar este filme o que não impediu o diretor de filmá-lo. Com a causa ganha pela família Stoker todas as cópias de Nosferatu foram caçadas e destruídas e graças à algum colecionador que “importou” o filme para fora do país que tivemos a oportunidade de presenciar um dos maiores clássicos expressionistas do cinema mudo.

Entretanto, quem foi realmente o Conde Drácula?

Muitas fontes citam o Conde Vlad Tepes, o Empalador, como a principal inspiração de Stoker para criar o vilão de sua história se bem que alguns boatos dizem que o personagem foi inspirado nas ações de uma condessa sádica da Hungria chamada Erszebeth Bathory, que tomava banho no sangue de suas criadas para “manter” a sua juventude. Sobre o Drácula histórico temos o seguinte relato:

“Vlad Dracula nasceu na Transilvânia em 1431 na cidade de Sighisoara. Seu pai, Vlad Dracul foi um membro d’A Ordem do Dragão (Ordo Dracul), que era uma espécie de ‘cruzados’ que tinha um pacto de luta eterna contra o Império Otomano. O nome Dracul significa Dragão ou Demônio, e se tornou o símbolo de seu pai porque ele usava o símbolo do dragão em suas moedas”.

Pesquisas recentes, contudo, mostram que Stoker pouco sabia sobre Vlad III e sua história. Visto que as histórias sobre vampiros na Europa vem principalmente da região da Transilvânia, é fácil entender porque Stoker escolheu aquela localização. Assim sendo, uma busca rápida pelos líderes históricos da região mostrariam Vlad Drácula como a escolha perfeita para um vilão sádico, sem escrúpulos e aterrorizador. Dracula era um candidato natural ao vampirismo.

Hoje, o romance “Dracula” completa 114 anos com o mesmo fascínio da época em que foi lançado e com o mesmo charme cativa leitores de todas as idades e ciclos sociais, apavorando os homens com sua ferocidade guerreira e cativando as mulheres com seu timbre aristocrático e sedutor.

Sendo assim, toda a equipe do site Gore Boulevard deseja um Feliz aniversário ao “Rei dos Vampiros”.

>"A História de Lia" no Espantomania

>

O filme “A História de Lia” foi selecionado para o festival Espantomania.

Para mostrar que os entusiastas e profissionais do horror não pensam somente em fugitivas donzelas semi-nuas, motosserras rompendo vísceras, zumbis, vampiros e demais criaturas de pesadelos, pretendemos lançar na primeira edição da ESPANTOMANIA a campanha “Monstros que Salvam” para angariar alimentos para creches, asilos e outras instituições de caridade da região onde a mostra for exibida. Nos intervalos da mostra ocorrerão premiações, sorteios de livros e filmes e um “Quiz Especial” sobre filmes de horror que somente os espectadores que doaram 1 kg de alimento não perecível (que não seja sal ou farinha) poderão participar mediante a apresentação de um cupom especial entregue no momento da doação.

Os prêmios distribuídos nos sorteios, premiações e no “Quiz: Especial Horror” foram todos doados por profissionais e entusiastas do gênero horror/fantástico. Se você escritor, cineasta, ilustrador ou qual seja a sua vocação quiser participar doando material para o projeto “MONSTROS QUE SALVAM” não deixe de nos contatar pelo email mostra.espantomania.sp@gmail.com. Todas as doações serão apresentadas no canto direito do site indicando a doação junto com o nome do colaborador. Você também pode participar do projeto divulgando o site, postando nossos banners e chamadas em seus blogs ou sites.

Vamos mostrar para a sociedade que os monstros estão loucos para matar… a fome!!!

Iam Godoy e R. Raven – Organizadores.

http://espantomania.webnode.com.br/monstros-que-salvam/

>"A Carne" ganha prêmios

>“A Carne” vence em três categorias do Corvo de Gesso

Sex, 03 de Dezembro de 2010 15:35

Hollywood não errou por completo, já que o Corvo de Gesso é uma “espécie” de Oscar, inspirado na mais cobiçada estatueta do mundo cinematográfico, e entregue, anualmente, pela pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas nos Estados Unidos.

O casal Paulo Carneiro e Neusa Zettles, de Igaratá, veio a Jacareí para assistir à entrega do prêmio e se divertiu, inclusive posando para fotos. “Pena que a gente não pode vir em todas as sessões (Projeto Cinema de 5ª). Mas acho muito bacana essa iniciativa de Jacareí estimular as produções independentes. Não faço curtas, mas adoro dar uns pitacos”, comentou Neusa.

Como participar – Para quem não conhece ainda o projeto Cinema de 5ª, mas tem curiosidade de saber como funciona, as sessões são realizadas todas as quintas-feiras, às 19h, na Sala Mario Lago (Pátio dos Trilhos), com entrada gratuita. Além de assistir às produções independentes, o espectador também pode se associar ao Cineclube de Jacareí (www.cineclubejac.blogspot.com).

Vencedores do Prêmio Corvo de Gesso de 2010:

Categoria Documentário: Microbiografia: Nina Ramos (Jacareí)

Categoria Curta de Celular: O Maníaco do Machado de Solda – Misake Kugi (Jacareí)

Categoria Minuto: A Realidade é Subjetiva – Clayton Galego (Jacareí)

Categoria Estudantil: A Moça do Cemitério – Projeto Estudantil Amância Dias (Jacareí)

Categoria Defeitos Especiais: Dom Fellini – Série: Projeto Anti-Cachecol Episódio 05 (Jacareí)

Categoria Fotografia: O Livro de Jó – Renato Rodrigues (Jacareí)

Categoria Edição: O Livro de Jó – Renato Rodrigues (Jacareí)

Categoria Roteiro: A Carne – Dimitri Kozma e Geisla Fernandes (SP)

Categoria Direção: A Carne – Dimitri Kozma e Geisla Fernandes (SP)

Categoria Ficção: A Carne – Dimitri Kozma e Geisla Fernandes (SP)

Categoria Musical: Videoclipe Manguetown – Wagner Rodrigo

Categoria Genericão: Bob, O Motivador – Los Mangues (Botucatu)

Categoria No Ar: Brincando Com Fogo – Sérgio Nogueira (Jacareí)

Categoria Animação: Faroeste Caboclo – Leonardo Amaral (Jacareí)

————————————————————————————————————-

A Carne (The Meat), 20 min

Drama / Suspense / Horror

A carne é nosso filho primogênito, gerado por nove meses e concebido em vinte e quatro horas ininterruptas, com todas as dores de um parto. Naturalmente, um filho segue seu caminho e desprendidamente oferecemos um pedaço de nós a vocês. A nossa carne.

Giorgio e Karina são recém-casados que optaram por tentar uma vida mais calma e com o ar fresco que só uma fazenda no interior pode proporcionar. Ele, um renomado chef de cozinha, especializado na criação e preparação de receitas à base de carne. Ela, esposa dedicada e amorosa, que tenta aceitar o trabalho do marido, mesmo sendo vegetariana. Na convivência com um antigo empregado da fazendo, o caseiro Antônio, eles aguardam a chegada de um bebê, para completar o sentido de suas vidas. A tranquilidade é interrompida para dar lugar a um jogo de mistério que expõe as diferenças dos parâmetros de discernimento da realidade, levando a resultados extremos.

Direção e Roteiro: Dimitri Kozma e Geisla Fernandes

Assistente de Direção: Rubens Mello

Com: Elaine Thrash, Dimitri Kozma, Rubens Mello, Fernando Domenico, Tatiane Leão, Geisla Fernandes, Fabiana Ferlin, Luiz Amorim

Argumento Original: Raphael Borghi

Locução: Rubens Mello

Produção Executiva: Geisla Fernandes, Raphael Borghi, Dimitri Kozma, Fernando Domenico

Assistente de Produção: Luiz Amorim, Tatiane Leão, Fabiana Ferlin

Fotografia: Yuri Seid e Raphael Borghi

Cinegrafista: Yuri Seid

Iluminação: Raphael Borghi

Maquiagem de Efeitos: Rubens Mello e Raphael Borghi

Edição: Dimitri Kozma

Trilha Sonora: Leonardo Ciotti de Oliveira

Design de capa: Luiz Amorim

 
http://www.youtube.com/watch?v=jmzxka-t728
 
http://www.youtube.com/watch?v=75QnkovOJxI&feature=related

>A História de Lia NA MOSTRA SESI DE CINEMA

>

“A História de Lia” curta que recebeu prêmio de melhor direção no “5º CineFantasy” será exibido dia 28/10 na I Mostra Sesi de Cinema – Prêmio SESI de Curta Metragem em Uberaba, MG.

O festival começa dia 27 e vai até 31 de outubro, com uma programação especial de filmes, mostra paralela (estamos participando da Mostra Paralela Cine Fantástico), oficinas e noite de premiações.

18h Mostra Paralela Cine Fantástico (Terror e Ficção)

Local: Cine Cultura UFTM (Shopping Urbano Salomão / 3o piso) Entrada permitida somente até 20h

Classificação 14 anos

Entrada Gratuita

Gato – Joel Caetano / 24min

A Carne – Rubens Mello / 19min

Minha Esposa é um Zumbi – Joel Caetano / 23min

Mechanics – Gurcius Gewdner / 2min

A História de Lia – Rubens Mello / 14min

A Minute Ago – Gurcius Gewdner / 3min

Naftalina – Aldo Pedrosa e Ricardo Tilim / 23min

Panda – Gurcius Gewdner / 9min

Mangu Negro – Rodrigo Aragão / 105min

>"A História de Lia" leva prêmio de melhor direção no 5º cinefantasy

>
Com surpresa e satisfação ganhei o prêmio de melhor direção com meu curta “A História de Lia” parte do projeto “Tatúrula, Sinfonia do Medo. Não esperava pelo prêmio.
Foram muito trabalhos e gente de toda parte do mundo. Espero que a partir de agora tenhanhamos mais portas abertas porque fazer filme idependente no Brasil, não é fácil.

>A História de Lia – teaser

>

“A História de Lia” faz parte de um projeto maior chamado “Tatúrula – Sinfonia do Medo” que é constituído por sete histórias independentes que possuem como elemento de ligação a criatura do titulo: “Tatúrula” . A realidade e a fantasia se misturam numa linguagem gótica e surreal, tendo com premissa as paranóias e os traumas humanos.

Sinopse:
Lia é uma adolescente que vive num lar doentio e violento.
Para fugir das freqüentes tensões do dia a dia, ela se envolve com um grupo de jovens marginais e acaba por se entregar às drogas.
Mas a tragédia se desencadeia quando ela é possuída por sua amiga invisível.